Museu Nacional de Belas Artes

<p class="p1" style="text-align:justify">Situado no centro hist&oacute;rico do Rio de Janeiro, o edif&iacute;cio de arquitetura ecl&eacute;tica projetado em 1908 pelo arquiteto Adolfo Morales de los Rios para sediar a Escola Nacional de Belas Artes, herdeira da Academia Imperial de Belas Artes, foi constru&iacute;do durante as moderniza&ccedil;&otilde;es urban&iacute;sticas realizadas pelo prefeito Pereira Passos na ent&atilde;o Capital Federal.</p>

<p class="p1" style="text-align:justify"><span class="wixGuard">​</span></p>

<p class="p1" style="text-align:justify">Criado oficialmente em 1937 por Decreto do presidente Get&uacute;lio Vargas, o Museu Nacional de Belas Artes conjugou a ocupa&ccedil;&atilde;o do pr&eacute;dio com a Escola Nacional de Belas Artes at&eacute; 1976, quando a EBA foi deslocada para a ilha do Fund&atilde;o. Neste mesmo ano, com a cria&ccedil;&atilde;o da Funda&ccedil;&atilde;o Nacional de Arte(Funarte) houve novo compartilhamento.</p>

<p class="p1" style="text-align:justify">Em 24 de maio de 1973, o edif&iacute;cio da Avenida Rio Branco, 199, foi tombado pelo Instituto do Patrim&ocirc;nio Hist&oacute;rico e Art&iacute;stico Nacional(IPHAN) e a partir de 2003, a imponente constru&ccedil;&atilde;o passou a abrigar na sua totalidade o MNBA.</p>

<p class="p1" style="text-align:justify"><span class="wixGuard">​</span></p>

<p class="p1" style="text-align:justify">Avan&ccedil;ando na linha do tempo, em 2009 o MNBA foi incorporado pelo Instituto Brasileiro de Museus(IBRAM), autarquia vinculada ao Minist&eacute;rio da Cultura. Hoje &eacute; a institui&ccedil;&atilde;o que possui a maior e mais importante cole&ccedil;&atilde;o de arte brasileira do s&eacute;culo XIX, concentrando um acervo de setenta mil itens entre pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, objetos, documentos e livros.</p>

<p class="p1" style="text-align:justify"><span class="wixGuard">​</span></p>

<p class="p1" style="text-align:justify">A bicenten&aacute;ria Cole&ccedil;&atilde;o do Museu Nacional de Belas Artes se originou de tr&ecirc;s conjuntos de obras distintos: as pinturas trazidas por Joaquim Lebreton, chefe da Miss&atilde;o Art&iacute;stica Francesa, que chegou ao Rio de Janeiro, em 1816; os trabalhos pertencentes ou aqui produzidos pelos membros da Miss&atilde;o, entre os quais se destacam Nicolas-Antoine Taunay, Jean-Batiste Debret, Grandjean de Montigny, Charles Pradier e os irm&atilde;os Ferrez; e as pe&ccedil;as da Cole&ccedil;&atilde;o D. Jo&atilde;o VI, deixadas por este no Brasil, ao retornar a Portugal, em 1821.</p>

<p class="p1" style="text-align:justify"><span class="wixGuard">​</span></p>

<p class="p1" style="text-align:justify">Percorrendo suas galerias, o visitante pode vislumbrar, como em poucos espa&ccedil;os culturais do pa&iacute;s, a hist&oacute;ria das artes pl&aacute;sticas no Brasil desde os seus prim&oacute;rdios at&eacute; a contemporaneidade.</p>

<p class="p1" style="text-align:justify"><span class="wixGuard">​</span></p>

<p class="p1" style="text-align:justify">Ocupando atualmente uma &aacute;rea de 17.000 m2, o Museu Nacional de Belas Artes/Ibram/MinC constitui-se num vigoroso centro irradiador de conhecimento e divulga&ccedil;&atilde;o da arte brasileira.</p>